Jfest: o jornalismo em debate na PUC Minas

Os cursos de Jornalismo da PUC Minas promovem nos dias 15, 16 e  17 de maio, a primeira edição do Jfest, evento anual que pretende reunir profissionais e pesquisadores para discutir questões e desafios contemporâneos da área.

O evento é gratuito, sem fins lucrativos e aberto ao público externo. Serão 3 dias de atividades no Campus Coração Eucarístico (manhã) e na Unidade São Gabriel (noite), incluindo palestras e oficinas. As palestras acontecem às 9:00 e às 10:30 no turno da manhã (Auditório 3, prédio 43, Coração Eucarístico) e às 19:00 e 20:30 (Sala Multimeios, 3o andar, bloco i, São Gabriel) no turno da noite.

As oficinas estão programadas para o período da tarde e são fechadas para alunos de Comunicação. Após a exposição de cada convidado haverá 30 minutos para perguntas da plateia. A programação completa está disponível no Instagram dos cursos (@jornalismopuc) ou no site da Faculdade de Comunicação e Artes (fca.pucminas.br).

PROGRAMAÇÃO

COMO EU ME TORNEI UM INIMIGO DO BRASIL:  JORNALISMO EM 2019 E SUAS OPORTUNIDADES

Denis Russo Burgierman (Nexo Jornal / Greg News)

15/05 → 10:30 às 12:00 (Coração Eucarístico, auditório 3, prédio 43)

Partindo da reportagem que fez para a revista Época sobre Olavo de Carvalho, Denis vai discutir temas globais como a crise do modelo da mídia, a crise da democracia, a lógica das redes e a necessária reinvenção do papel do jornalista.

Denis Russo Burgierman tem 46 anos, é colunista do Nexo e escreve sobre complexidade. Matriculou-se no Curso Online de Filosofia de Olavo de Carvalho para escrever a reportagem de capa da revista Época de 18 de março, sobre seus aprendizados. Já foi para a Antártica acompanhar ativistas que queriam afundar navios baleeiros e ajudou a organizar o TEDxAmazônia, num auditório flutuante na floresta. Viajou pelo mundo para escrever um livro sobre novas políticas de drogas. Dirigiu publicações como as revistas Superinteressante e Vida Simples. Ajudou a produzir o documentário “Ilegal” sobre maconha medicinal  e a criar o Greg News na HBO. Foi John S. Knight Fellow na Universidade Stanford, em 2007. É pai de Francisco e de Aurora.

GRANDE REPORTAGEM AUDIOVISUAL: HOJE NA TV, E AMANHÃ?

Guilherme Belarmino (Profissão Repórter / Rede Globo)

17/05 →  9:00 às 10:30 (Coração Eucarístico, auditório 3, prédio 43)

→ 19:00 às 20:30 (São Gabriel, sala multimeios 30, bloco i)

Guilherme Belarmino, 30 anos, é repórter. Há doze anos, cobre políticas públicas de segurança e violações de direitos humanos, com foco em violência policial. Formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero e pós-graduado em Transmídia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), está há dez anos no Grupo Globo, onde atuou também na Globonews e no programa Fantástico, já cobrindo segurança pública e violência policial. Atualmente, trabalha no Profissão Repórter, da Rede Globo. Cobriu, in loco, nos últimos anos, as negociações de paz entre as FARC e o governo na Colômbia, a repressão ao tráfico de drogas e suas consequências na fronteira entre Brasil, Peru e Colômbia, a expansão das milícias no Rio de Janeiro, a chacina contra trabalhadores rurais em Colniza (MT), a chacina contra jovens da periferia no Cabula (BA), o aumento de homicídios nas capitais brasileiras mais violentas, a mobilização de policiais a favor da legalização das drogas bem como as tentativas jurídicas de legalização do aborto e o tratamento a homens diagnosticados com o transtorno sexual de pedofilia entre outros. Em 2016, recebeu, integrando a equipe do Profissão Repórter, o Prêmio Vladimir Herzog de Direitos Humanos com uma edição especial sobre a Chacina de Osasco. Na ocasião, revelou detalhes dos ataques na periferia da Grande São Paulo e descobriu novas vítimas dos policiais militares e guardas civis.

JORNALISMO, DIREITOS HUMANOS E COLABORAÇÃO

Maria Carolina Trevisan (UOL/Ponte Jornalismo)

15/05 →  9:00 às 10:30 (Coração Eucarístico, auditório 3, prédio 43)

→ 19:00 às 20:30 (São Gabriel, sala multimeios 31, bloco i)

Maria Carolina Trevisan, 41, é jornalista especializada na cobertura de direitos humanos, políticas públicas sociais e democracia. É colunista do UOL. Foi repórter especial da Revista Brasileiros, colaborou para IstoÉ, Época, Folha de S. Paulo, Estadão, Trip e Marie Claire. Trabalhou em regiões de extrema pobreza por quase 10 anos e estuda desigualdades raciais há oito anos. Coordena a área de comunicação do projeto Memória Massacre Carandiru e é pesquisadora da Associação Nacional de Direitos Humanos, Pesquisa e Pós Graduação. É coordenadora de projetos da Andi – Comunicação e Direitos. Em 2015, recebeu o diploma de Jornalista Amiga da Criança por sua trajetória com os direitos da infância.Faz parte do conselho do Programa InFormação, que atua na formação de jornalistas. Carolina foi uma das juradas do Prêmio Garcia Marquez de Jornalismo e do Prêmio Abdias Nascimento de Jornalismo, focado em temas ligados às questões raciais. Também coordenou a última edição do Concurso Tim Lopes de Jornalismo Investigativo, que premia pautas sobre violência sexual. É uma das fundadoras do site Ponte (especializado em justiça, segurança pública e direitos humanos) e da rede Jornalistas Livres (focada em democracia e direitos humanos). Atuou por oito anos em zonas de extrema pobreza do Brasil, com a Fundação Kellogg, em projetos sociais de enfrentamento à pobreza e ao racismo; e com o direito à literatura, para o Instituto C&A, coordenando o Movimento por um Brasil Literário e o projeto Escola de Leitores. Em 2007, ganhou a bolsa de estudos do programa Emerging Leaders International Fellows Program, no Centro de Filantropia e Sociedade Civil, na CUNY, em Nova York, onde estudou comunicação em fundações comunitárias.

JORNALISMO MULTIMÍDIA, LONGFORM E ENGAJAMENTO

Fred Bottrel  (Portal UAI, Editor de Conteúdos Digitais)

16/05 → 10:30 às 12:00 (Coração Eucarístico, auditório 3, prédio 43)

Como novas tendências e formatos para o jornalismo em profundidade desafiam jornalistas rumo à criação de estratégias e conteúdos capazes de engajar leitores em múltiplas plataformas.

É subeditor no jornal Estado de Minas, onde trabalha com gestão para criação de conteúdos digitais. Coordena o Núcleo de Criação Multimídia, responsável por produzir vídeos, editar reportagens especiais em longo formato e desenvolver novos produtos com foco digital. Estudou cinema digital na New York Film Academy. Foi bolsista profissional do International Center for Journalists, no programa Uma trilha para o desenvolvimento digital, inovação e empreendedorismo na América Latina , quando trabalhou na redação do HuffPost em Washington. Dirigiu, roteirizou e editou os documentários em curta-metragem A Ala (2014) e Dandara (2017), vencedores do Prêmio Canal Brasil de Incentivo ao Curta-Metragem.

MULHERES NO JORNALISMO ESPORTIVO

Isabelly Morais (Rádio Inconfidência/Fox Sports)

17/05 → 20:30 às 22:00 (São Gabriel, sala multimeios 30, bloco i)

O meio esportivo, por mais apaixonante que seja, carrega consigo uma resistência histórica à presença das mulheres. Elas já estão integradas a ele, mas ainda há muito o que conquistar. Dentro de redações e praças esportivas, a luta é diária para tornar a comunicação esportiva um espaço mais democrático.

Isabelly Morais foi a primeira mulher a narrar uma partida pelo rádio de Minas Gerais (2017) e a primeira a narrar um jogo de Copa do Mundo pela TV brasileira (Fox Sports / 2018).

ATUALIDADE E RELEVÂNCIA: O RÁDIO ALL NEWS*

Ike Yagelovic

16/05 → 9:00 às 10:30 (Coração Eucarístico, auditório 3, prédio 43)

Jornalista com MBA Executivo e Pós-graduação em Sustentabilidade nas Empresas, Ike Yagelovic trabalhou em veículos como a extinta TV Manchete, TV Globo Minas, Sebrae, CBN (desde a implantação em 1994 até o ano de 2015) e Rádio BandNews BH (atual), sempre em cargos de chefias e direção jornalismo.

O FACT-CHECKING NO COMBATE A NOTÍCIAS FALSAS

Douglas Silveira e Natália Leal (Agência Lupa)

16/05 → 19:00 às 20:30 (São Gabriel, sala multimeios 31, 3º andar)

17/05 → 10:30 às 12:00 (Coração Eucarístico, auditório 3, prédio 43)

A palestra vai apresentar a metodologia de trabalho da Agência Lupa no combate à desinformação e os bastidores de alguns trabalhos de maior repercussão da agência.

Natália Leal é Diretora de Conteúdo da Agência Lupa. Jornalista com MBA em Gestão de Pessoas pela FGV, trabalhou no Zero Hora e no Diário Catarinense.

Douglas Silveira é diretor de Marketing e Educação da Lupa. Já trabalhou no Canal Futura, na TV Escola, no MEC e, desde 2017, está à frente da Lupa Educação.

INTRAEMPREENDEDORISMO E JORNALISMO COMUNITÁRIO

Vladimir Vilaça

16/05 → 20:30 às 22:00 (São Gabriel, sala multimeios 31, 3º andar)C

Mesmo com a tradição dos grandes veículos de comunicação, há, cada vez mais, espaço para empreender. A palestra vai discutir formas de construir um jornalismo inovador, voltado para a comunidade, dentro dos limites já estabelecidos de uma organização.

Formado em Jornalismo em 2010, com passagens pela Band News FM e pela TV Alterosa, Vladimir Vilaça é repórter da Rede Globo. Atualmente, é um dos responsáveis pelo MG Móvel, a voz de comunidades de Belo Horizonte e Região Metropolitana dentro do MG1.  

OFICINAS

JORNALISMO CULTURAL NA PRÁTICA: OS PROCESSOS DO SITE CULTURADORIA

Carolina Braga (Culturadoria)

15/05 → 14:00 às 18:00 (Coreu, sala multimeios, prédio 13)

Encontro teórico/prático para se discutir as possibilidades do jornalismo cultural no ambiente on-line

Carolina Braga é jornalista cultural desde 2001, com experiências na Rádio Guarani, TV Alterosa e como repórter e crítica do caderno de cultura do Jornal Estado de Minas. Colaborou com veículos como Revista Bravo e Correio Braziliense. É doutora em Comunicação e sociabilidade contemporânea pela Universidad Autónoma de Barcelona em convênio com a UFMG, mestre em Jornalismo e novas linguagens também pela Universidad Autónoma de Barcelona e pós-graduada em Crítica de música pop e cinema pela Universidad Ramon Llull, de Barcelona. Participa de estágio pós-doutoral na Universidade Federal de Minas Gerais com projeto sobre narrativas transmídia no jornalismo. É idealizadora do Culturadoria, projeto multiplataforma de curadoria de informação sobre artes, eventos e espetáculos, professora nos cursos de comunicação do UNI-BH e consultora no Sebrae-MG.

O TEXTO PARA WEB: SEO PARA JORNALISTAS

Prof. Dra. Veronica Soares

16/05 → 13:30 às 17:30 (Coração Eucarístico, Lab. de Informática LRI, prédio 42)

Textos para ambientes digitais: o que é escrever para web hoje (amanhã pode ser diferente). As mudanças na Web: 1.0, 2.0 e Semântica. Hipercomplexidade e não-lineraridade da escrita e da leitura. Introdução às técnicas de web analytics e SEO aplicadas ao jornalismo. Definição de métricas e como utilizá-las. Ferramentas para medição de resultados. Definição de pautas, coberturas e a relação com SEO.

Jornalista, doutora em Textualidades Midiáticas pelo PPGCOM da UFMG. Graduada em Comunicação Social pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), especialista em Jornalismo Científico pela Universidade do Vale do Paraíba (UNIVAP) e Mestre em História, Política e Bens Culturais pelo Centro de Pesquisa e Documentação da História Contemporânea do Brasil (FGV). É membro do Núcleo de Estudos Tramas Comunicacionais. Desde 2014, atua como jornalista e pesquisadora no Programa de Comunicação Científica, Tecnológica e de Inovação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (PCCT/Fapemig), na interface entre jornalismo e comunicação institucional. Trabalhou na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) como assessora de comunicação e professora substituta no curso de Jornalismo. Desde 2017, atua como docente em cursos de especialização do Centro Universitário UniBH (Marketing Digital e Jornalismo em Ambientes Digitais) e é professora do curso de especialização em Comunicação Digital do Instituto de Educação Continuada da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (IEC-PUC Minas).

COMO CHECAR IMAGENS FALSAS

Douglas Silveira e Natália Leal (Agência Lupa)

17/05 → 14:00 às 15:30 (Coração Eucarístico, Lab. de Informática LRI, prédio 42)

Natália Leal é Diretora de Conteúdo da Agência Lupa. Jornalista com MBA em Gestão de Pessoas pela FGV, trabalhou no Zero Hora e no Diário Catarinense.

Douglas Silveira é diretor de Marketing e Educação da Lupa. Já trabalhou no Canal Futura, na TV Escola, no MEC e, desde 2017, está à frente da Lupa Educação.

TÉCNICAS DE LOCUÇÃO

Delma Lopes

15/05 → 14:00 às 18:00 (São Gabriel, LabSG Áudio, bloco i)

É formada em Comunicação Social pela UFRN e possui MBA em Jornalismo Digital. Jornalista e radialista, com experiência nas quatro áreas da Comunicação: Impresso, Rádio, TV e Internet.Trabalhou nas afiliadas Globo e SBT, no Rio Grande do Norte, na TV Globo Minas e foi âncora do Super N – Primeiras Notícias, da rádio Super da Sempre Editora. Atualmente, ministra palestras e treinamentos na área de Comunicação para o público e empresas, pela DLCom, empresa própria especializada em treinamentos de oratória, mídia training e cerimonial para eventos corporativos.

CELULAR NA MÃO, NOTÍCIA NO AR

Tábata Poline  

16/05 → 17:00 às 19:00 (São Gabriel, Auditório, bloco i)

Os dispositivos móveis estão, cada vez mais, se tornando indispensáveis para o fazer jornalístico, não apenas como instrumentos para produção e compartilhamento de informações nas redes sociais, mas também como um novo caminho para fazer jornalismo e contar histórias.

Produtora e vídeo repórter da TV Globo Minas, Tábata produz reportagens a partir de dispositivos móveis para os telejornais locais e de rede. Trabalhou como Analista de Comunicação na BH Press Comunicação, com assessoria de imprensa na  MHD Comunicação, na Pessoa Comunicação e Relacionamento, na Result Comunicação e na Link Comunicação. Tábata é graduada em Jornalismo pela PUC Minas (Unidade São Gabriel).    

ROBÔ-REPÓRTER? COMO A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL PODE SER APLICADA AO JORNALISMO

Silvia Dalben

17/05 → 17:00 às 19:00 (São Gabriel, Auditório, bloco i)

Nos últimos anos, empresas jornalísticas adotaram softwares de Natural Language Generation (NLG) – um sub-campo da Inteligência Artificial – para produzir notícias sobre finanças, esportes, eleições, crimes, terremotos. Com isso, muitas questões surgiram: como distinguir se um texto foi escrito por um repórter ou por um algorítmico? Será que os jornalistas correm risco de serem substituídos por robôs? Nesta palestra, apresentamos estudos de caso de veículos como Forbes, Associated Press, Los Angeles Times e Le Monde, analisamos o funcionamento dos softwares NLG e as características de uma notícia automatizada e fechamos com três exemplos de robôs utilizados pelo jornalismo brasileiro.

Silvia Dalben é jornalista e trabalhou no Portal Uai de 2008 a 2011. Desde então, atua como produtora de vídeos, filmes, aplicativos e games na D2R Studios, incluindo projetos de Realidade Virtual e Realidade Aumentada. É apaixonada por tecnologia e inovação, e terminou o mestrado em 2018 onde se dedicou à pesquisar sobre a aplicação de Inteligência Artificial no jornalismo.


Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado.